Líderes latino-americanos notórios e como fazer parte dessa lista

Sempre se disse que a América Latina é cheia de potencial, mas essa ideia é perigosa. Não porque o continente não tenha potencial, mas porque o próprio conceito de potencial expressa a não realização de suas perspectivas. Muitas organizações têm trabalhado para garantir que todo o talento da América Latina se concretize - uma delas é a LALA!

A Latin American Leadership Academy (LALA) é uma instituição sem fins lucrativos que tem como objetivo encontrar, conectar e desenvolver os jovens líderes da região, dando-lhes acesso a programas que desenvolvem habilidades em liderança, empreendedorismo, inovação social, aprendizado socioemocional e pensamento crítico! Se você quiser fazer parte da lista a seguir de grandes líderes da América Latina, a LALA é o lugar certo para você! 

Portanto, é melhor lembrar que a América Latina está cheia de potencial e de grandes líderes! Aqui você encontrará uma lista de algumas das figuras mais proeminentes de diferentes áreas na América Latina.

Bolívar

Simón Bolívar talvez seja o líder latino-americano mais mencionado. Ele foi um político nascido em Caracas, conhecido por sua liderança na libertação da América do Sul do poder espanhol devido aos movimentos de independência. Ele também influenciou profundamente os estados formados depois disso e sua estrutura. Sua jornada para libertar a região foi difícil, e a Espanha e os monarquistas reprimiram vigorosamente qualquer movimento de independência. Na região que hoje conhecemos como Venezuela, eles tentaram instalar uma república duas vezes e, na região da Colômbia, ele e seu exército tiveram que atravessar os Andes antes de lutar. Ele passou a trabalhar com José de San Martin e, no final, a Espanha não governava mais a Bolívia, o Peru, o Equador, a Colômbia, a Venezuela e o Panamá. A Grande Colômbia não durou, mas Bolívar inspirou outros libertadores na América Latina, e suas ideias de liberdade ainda são pregadas na região.

Carolina Maria de Jesus

Essa escritora brasileira, nascida em 1914, mudou a forma como o Brasil escreve e vê a desigualdade. Embora Carolina só tenha estudado formalmente por dois anos, seus diários sobre a vida na Favela do Canindé, em São Paulo, comprovam sua crença na literatura como uma fuga da invisibilidade causada pela vulnerabilidade social. Seu livro mais famoso, "Quarto de Despejo", vendeu mais de um milhão de exemplares em todo o mundo e é um testemunho de seu orgulho de ser negra e brasileira, ao mesmo tempo em que mostra a dor profunda e excruciante da pobreza e do preconceito. Atualmente, seu trabalho continua a repercutir na luta por mudanças na sociedade brasileira.

Rigoberta Menchú Tum

Rigoberta é uma líder social e ativista guatemalteca, uma das únicas 60 mulheres que já ganharam o Prêmio Nobel. Ela e sua família são indígenas, parte do ramo Quinche da cultura maia - eles também eram trabalhadores rurais. Após um golpe de Estado em 1954 em seu país, sua família foi perseguida e morta, acusada de se opor ao regime. Rigorberta, que já fazia parte de projetos de reformas sociais e direitos das mulheres, juntou-se ao Comitê de Unidad Campesina e à Frente Popular 31 de enero. Rigoberta teve de fugir do país, mas continuou seu trabalho de libertação popular. Ela se tornou um símbolo dos direitos indígenas na América Latina e no mundo.

Paulo Freire

Paulo Freire foi um educador brasileiro amplamente conhecido por sua tese "Pedagogia do Oprimido", a terceira mais mencionada em trabalhos acadêmicos relacionados a ciências humanas em todo o mundo. Ele nasceu em Recife e trabalhou inicialmente com adultos analfabetos no nordeste do Brasil. Ele acreditava principalmente que a educação deveria usar métodos associados ao universo dos alunos - com seu conceito de "conscientização", para "construir uma consciência crítica da realidade social de cada um por meio da reflexão e da ação". O trabalho e as ideias de Freire influenciaram a educação e o desenvolvimento como professor, após seu exílio durante a ditadura militar, e como Secretário de Educação em São Paulo - Brasil.

Tássia de Matos e Gabriella Santos

Tássia, que estuda Ciências Humanas na UFBA, e Gabriella, estudante de Direito na UFRJ, são jovens líderes negras brasileiras que fundaram o AfroFund. Elas fazem parte da comunidade LALA - ambas participaram de acampamentos de liderança, e Tássia faz parte da equipe de Admissões e Captação de Recursos da organização. Seu projeto, Afrofund, é feito por e para jovens estudantes negros! O objetivo é reduzir e remover as barreiras entre os estudantes negros e os espaços de desenvolvimento educacional e de liderança! Entre em contato com elas pelo e-mail [email protected] para saber mais!

Esperamos que esses líderes tenham inspirado você a fazer uma mudança em sua comunidade e em toda a região da América Latina! Se você quiser saber mais sobre a LALA e sua missão de desenvolver e apoiar pessoas nessa missão, confira mais no site e no Instagram! E assine nossa newsletter para estar sempre atualizado sobre oportunidades para jovens líderes latino-americanos!

Você é um jovem latino-americano que deseja se conectar com jovens incrivelmente talentosos e motivados por um propósito e é apaixonado por mudar seu ambiente? Se sim, nós o convidamos a se inscrever em nossos Acampamentos de Liderança de 1º de junho a 10 de julho aqui!

Foto de Bel Pedrosa

Postos similares